sexta-feira, abril 22, 2011

Chapeuzinho vira thriller Catherine Hardwicke, de Crepúsculo, é louca por um lobisomem, como prova A Garota da Capa Vermelha


22 de abril de 2011 | 0h 00

Luiz Carlos Merten/S.Alcantara

Em A Companhia dos Lobos, Neil Jordan já recontara a história de Chapeuzinho Vermelho pelo ângulo do lobo. Há uma nova Chapeuzinho nas telas e agora o lobo virou lobisomem. Quem assina A Garota da Capa Vermelha é Catherine Hardwicke, que formatou a série Crepúsculo. Ela é louca por um homem lobo.

Depois que Bruno Bettelheim usou a psicanálise para abrir que os contos de fadas remetem a pulsões secretas do ser humano, o próprio cinema passou a buscar um enfoque mais adulto de temas tradicionais. Isso já ocorria antes, porque a versão de Jean Cocteau para A Bela e a Fera, nos anos 1940, destinava-se ao público maduro. Desde então, deu a louca na Cinderela, na Gata Borralheira, na Chapeuzinho... Shrek é um caso à parte. É subversivo de forma velada, de olho no público-alvo dos contos, as crianças.

Embora tenha feito apenas o primeiro filme da série Crepúsculo - o quarto foi filmado no Brasil -, Catherine Hardwicke foi decisiva na conceituação das adaptações dos livros de Stephenie Meyer. E ela certamente teve um bom olho para escolher o elenco. Sem o romantismo mórbido de Robert Pattinson nem a passividade perversa de Kristin Stewart, Crepúsculo dificilmente teria encontrado tanta ressonância junto ao público. Ao se voltar para Chapeuzinho, ela superpõe à fábula, propriamente dita, um elemento de suspense. A identidade do lobisomem gera uma caçada que só é desvendada no desfecho.

Freud recorreu à tragédia grega para nomear os complexos - de Édipo e Electra - que estão na base da formação da personalidade. Bettelheim desvendou o que há de incestuoso nas histórias de Hans Christian Anderson e dos irmãos Grimm. Jacques Demy, a propósito, radicalizou a questão do incesto e a fada de Pele de Asno (Delphine Seyrig) canta o perigo que representa, para as garotinhas, a atração pelo pai.

A garota da capa vermelha vive numa cidadezinha assolada pela maldição do lobisomem. A entrada em cena de um representante da Igreja, voltado aos exorcismos, expõe os conflitos sob a aparência de tranquilidade. Paganismo, traições, desejos reprimidos. O lobisomem revela-se. Como em Crepúsculo, Catherine Hardwicke, que é inteligente, pensa melhor do que filma. Mas a nova roupagem para a velha história é interessante. E Julie Christie, como avó, é muito boa.

video

Nenhum comentário: